Sexta-feira, 27 de Março de 2009

Património do Concelho de Almeida

Num dia em que em Almeida se fala de Património Histórico, com a comemoração do Dia dos Municípios com Centro Histórico, deixamos neste espaço dois documentos que nos chegaram por gentileza do amigo Manuel N. B. Forte, documentos oriundos da Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais, em que se encontram listados os monumentos do Concelho já classificados e aqueles que, já inventariados, aguardam a respectiva classificação.

 

10 imóveis classificados

223 imóveis inventariados

publicado por Praça Alta às 13:37
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Sexta-feira, 20 de Março de 2009

Dia dos Municípios com Centro Histórico - 27/28 de Março

Photobucket

 

publicado por Praça Alta às 20:09
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 16 de Março de 2009

Praça Alta n.º 166 - Destaques

1.ª Página

Concurso para a construção do Novo Quartel dos Bombeiros

Casa do Concelho de Almeida tem nova Direcção

Medidas Sociais para o Concelho de Almeida

Os melhores alunos da freguesia de Almeida

Feira do Fumeiro e Artesanato 2009

"A verdade como uma constante..." - de Carlos e Pereira e Orlindo Vicente

"O congresso do cinismo" - Opinião de Tiago Silva

publicado por Praça Alta às 19:12
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Quinta-feira, 12 de Março de 2009

Ensaio sobre a cobardia

 

Gosto de achar que carrego, por via dos anos, um certa dose de privilégio, passe o exagero. As razões entendê-las-ão bem os da minha idade: é que nós, os que nasceram aí pelo fim dos anos cinquenta, princípios de sessenta, somos bem de dois mundos. Soubemos o que era viver sem electricidade e as comodidades correlativas mas chegámos a conhecer os benefícios da electrónica e das novas tecnologias. Dominamos, uns melhor que outros, as teclas do computador, do telemóvel, do i-phone e de outras modernices mais ou menos diabólicas.

Eu e tantos da minha e das gerações adjacentes vivemos o estertor do Estado Novo e mais, muito mais do que isso, vivemos, na melhor altura das nossas vidas, esse deslumbramento que foi o 25 de Abril. Se num dia soubemos o que era o medo real e insidioso, no outro provámos o sabor da Liberdade. Já se sabe que quem o prova uma vez, fica viciado para toda a vida. Diria antes, insatisfeito e carente. Foi o tempo dos sonhos desmedidos, como os classificaria Torga à beira da morte, desiludido com isso que é a essência dos sonhos: a impossibilidade de se tornarem reais. Mas ele, como o poeta, não o saberia já?

Mas há mais. Tivemos o privilégio de ver entrar em casa a primeira televisão, obrigatoriamente a preto e branco onde vimos a chegada do homem à Lua para, anos depois, assistirmos em directo e a cores aos dois mais fantásticos golos de que há memória na história do futebol, um com a mão de deus, outro, passados minutos, com o divino pé esquerdo de Maradona. Posso talvez concluir que a primeira parte das nossas vidas foi a preto e branco e a segunda com imagens e a cores.

Talvez a introdução vá demasiado longa para dizer apenas que tenho, e mais difícil ainda, mantenho, vai para dois anos, um blogue na Internet onde, diariamente, dou conta dos meus estados de espírito, das minhas indignações, opiniões e alegrias (estas, infelizmente, poucas). Descansem todavia os leitores, não estou a aproveitar-me desta página quatro que, com gosto, ocupo há anos, para fazer publicidade gratuita ao meu humilíssimo blogue. Quero antes dar conta de um fenómeno algo curioso, que periodicamente reincide no espaço cibernético e que comecei a notar no dito espaço. Trata-se da assunção, dissimulada sob a capa do anonimato de algo que já deveria estar morto e enterrado: o medo. Medo de dar a cara, medo de emitir opiniões, medo de expor ideias.

Estou em crer que essa atitude cobarde (para quê ter medo também das palavras?) seja algo de atávico que teve séculos de Inquisição e décadas de salazarismo a fornecer-lhe fundamentos e razões e que não são trinta anos de Democracia, ainda por cima tão pobre como a nossa, que a vão revogar.

Eu explico melhor. Os blogues proliferam na blogosfera e têm tantas virtudes como defeitos. Entre as primeiras podemos assacar a possibilidade, antes inexistente, de tornar públicas e partilhar com outros, as nossas opiniões, indignações, raivas, alegrias, etc. Não é de somenos esta possibilidade. Mas, ao mesmo tempo, dá-se livre curso e amplia-se a mentira, o boato, a intriga. É também comum, os leitores do blogue poderem comentar os posts da responsabilidade dos seus administradores e é aqui que se manifesta essa praga nacional que é o anonimato. Anónimos dão, nesses comentários, a imagem de todo um país. Fazem ataques pessoais, insultam, dão voz à ignorância e à baixaria. Quando se trata de ter opinião desculpam-se com a mulher e os filhos e o emprego e as represálias para não assinarem por baixo. Não se trata, claro, de nada disso. Trata-se, isso sim, de nem sequer ter opinião e quando se tem é a do dono a quem não se quer, de modo algum, desagradar. 

José Gomes Ferreira, esse grande e esquecido escritor, contou que certa vez, durante a repressão do Estado Novo, num grupo de opositores ao regime quando alguns se desculpavam com a família para não assumir publicamente o seu desacordo, houve um que resolveu dar a cara. Ignorou os avisos dos amigos que o alertavam para os perigos que corria, inclusive o de ser preso e que o instavam a que desistisse do seu irresponsável intento. Em vão o fizeram e a sua resposta foi: “Não desisto, não posso. Tenho filhos para criar!” Não são desta cepa os anónimos que enxameiam a Internet.

Quem quiser tirar a prova, basta consultar um dos muitos blogues criados por gente de Almeida, embora o mal não seja só nosso, é geral. Em ano eleitoral, discute-se muito a autarquia e o seu futuro. As figuras dos bastidores das candidaturas mais fortes não conseguem disfarçar o nervosismo, na esperança de um lugar ou na desesperança de quatro anos de travessia do deserto. Vai daí, disparam em todos os sentidos, tentam atingir o que eles vêem como obstáculos aos seus objectivos, mas…não mostram a cara. A coragem não dá para tanto e o espaço de manobra para futuras cambalhotas ficava seriamente reduzido.

Conviver com esta gente sem nome é um dos espinhos que temos que aguentar. Ninguém disse que viver em democracia era fácil.

 

Aristides Rodrigues - "Tribuna Livre" / Praça Alta n.º 166

publicado por Praça Alta às 21:43
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 10 de Março de 2009

4.ª Festa do Bucho na Freineda - 15 de Março

Photobucket

 

Programa completo AQUI

 

publicado por Praça Alta às 13:20
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 9 de Março de 2009

Baptista Ribeiro, o 1.º candidato oficial para as autárquicas deste ano

Photobucket

O actual Presidente da Câmara de Almeida, é o primeiro candidato oficial para as autárquicas deste ano. Foi num jantar convívio de militantes sociais democratas, que se realizou no passado sábado em Vilar Formoso, que a candidatura de Baptista Ribeiro foi oficialmente confirmado pelas estruturas do PSD.

Mais desenvolvimentos na edição deste mês do Praça Alta, do dia 11 de Março.

 

publicado por Praça Alta às 20:07
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

.Contactos

Associação dos Amigos de Almeida, Apartado 5 - 6350-909 ALMEIDA pracaalta@gmail.com

.AVISO

Neste BLOG existe moderação de comentários. Não serão publicados QUAISQUER comentários de ANÓNIMOS ou DESCONHECIDOS.

.Visitantes


Free Counter

.Posts Recentes

. Cerco de Almeida 2016

. Cerco de Almeida 2016

. "PRAÇA ALTA" - edição de ...

. Praça Alta 238 - setembro...

. CERCO DE ALMEIDA - O PROG...

. O CERCO DE ALMEIDA

. Recriação do CERCO DE ALM...

. Praça Alta de novembro - ...

. Praça Alta n.º 227 - sete...

. Praça Alta n.º 226 - julh...

. Praça Alta nº 224 - maio...

. Praça Alta de abril - ver...

. Praça Alta de março - n.º...

. 16 de março - IX Festa do...

. Praça Alta n.º 221 - ediç...

.LINKS

.Arquivos

. Julho 2016

. Novembro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Julho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

blogs SAPO
blogs SAPO

.subscrever feeds